domingo, 16 de julho de 2017

Fortitude


Faço o login no meu Google Favoritos, no notebook assisto o episódio nove do Fortitude da Globosat, agora passa uma cena que não me interessa, mudo a página e escuto apenas o som, mas o aúdio está em inglês, nada entendo, de repente, silêncio, volto à série, estão dissecando algo e conversando. Dou um bom dia para @nandarochaip.  Ajusto a tela do vídeo no computador, me lembra quando ajustavam a posição vertical da tela no cinema. No Google não acho nada sobre um lugar chamado Fortitude, será o lugar totalmente fictício?  Preciso trabalhar minha ansiedade, por isso tenho dificuldades de assistir um filme de duas horas ou mais num dia só, costumo dividi-lo pelo menos em dois dias, ou até mais, a depender da fita.  Agora dissecam um urso.  Ainda estou nos 11 minutos, assistir pelo notebook não é muito agradável, conheço gente que só assiste filmes assim, e ainda falam que certos filmes que eu vi numa tela grande, serem ruins, é claro, não dá para comparar numa tela minúscula.  Preciso trabalhar a minha ansiedade, compreendê-la, analisá-la, dissecá-la em partes menores como fizeram com o urso polar, chegar nos detalhes. Um personagem com aparência indefesa está sozinho agora, criando um suspense de que alguém oculto pode lhe fazer algum mal. Parece haver uma cena que lembra vudu, mas para o bem, se é que isso existe. Estou apenas pensando, não informando.   Por um bom tempo está no bla bla bla. Mudo a tela. Não só em Fortitude, mas em muitas, dizem quando o celular toca, desculpe, preciso atender.  Não creio que seja assim na vida real estrangeira. Ouço música de suspense, voltei à tela do Fortitude, mas nada vi demais. Mais bla bla bla.   Som de suspense, volto á tela pra conferir. Where are you?, aparece no celular de Frank, essa eu já sei.  O som dá um toque de suspense aos 23 minutos. Lembro que até um certo tempo, os filmes americanos geralmente tinha uma cena sexual mostrada de forma suave, mais para o lado romântico. Era a cena chavão. Na web há notícia sobre o novo filme da Mulher Maravilha.  Em  quase todos os episódios,  Fortitude exibe uma cena forte, as vezes até surpreendente. As pessoas gostam muito de conversar, parece enrolação.  A produção é cara, aparentemente desperdiçada com muito diálogo, deixando a história com um ritmo bastante lento.   Há, esse é o episódio nove.
A lebre ártica tem senso de humor.   Agora que releio este texto dois meses depois, não sei porque escrevi essa frase, a lebre ártica tem senso de humor. Será a fala de algum personagem? Não sei.

Volto ao vídeo, onde escuto o som de alguma coisa se revelando.  "Desumanizando sua vítima".  Aos 40 minutos, tortura. Algumas mulheres parecem ser mais fortes que os homens. Se bem que há muita realidade nisso.  
O que me aborrece nas séries, é que o vilão sempre vence por uma eternidade, mesmo quando está perdendo, e muitas vezes, retorna nas próximas temporadas. Momento enrolação, Fortitude agora está nesse momento.                                                        

domingo, 23 de abril de 2017

Página 362


23/04/2017 - 08 horas
Domingo
Volta Redonda/rj, vinte graus, nublado

Nos fundos da minha casa, eu sentado numa cadeira  sobre a grama verde, o gato deitado ali por perto sobre uma palha, sob os sons estridentes das maritacas, sob o sol fazendo de tudo para nascer, lutando contra as nuvens que insistem em formar uma cobertura espessa o suficiente para escondê-lo, impedindo-o de usar toda a sua potência energética convertida em luz, deixando a terra amanhecida, mas esmaecida.

Sob a calma dessa manhã de domingo em que a cidade ainda dorme, num silêncio fora do normal, em consequência da noite passada em claro causada pelas fortes pancadas sonoras que ribombaram em vários pontos do município, sob a calma dessa manhã de domingo, leio a página 362 e 363 de Getúlio, de Lira Neto, onde coisas interessantes me chamam a atenção.

01-Over the sun

02-Getúlio, de Lira Neto, vol. 01

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Texto em movimento (1)

11/03/2017 - Sábado

Mad Dogs - o encontro fatal

Muito suspense, a história simplesmente não para, muito boa distração essa série espanhola em exibição na Globosat, além de lindas paisagens como Maiorca e Ibiza.

. . . . . . . . . . .Navegando. . . . . . . . . . .

-Motivos científicos para ESCREVER mais
Peguei o hábito de escrever no papel, mesmo que em algumas vezes sejam simples rascunhos. Todos os dias escrevo algo, qualquer coisa, anotações de leituras, pensamentos, afazeres, planejamentos, qualquer coisa, revisões, até mesmo o que estou aprendendo de inglês. O negócio é escrever algo, são muito boas as dicas descritas no link acima  Resumindo, escrever sobre problemas pessoais faz bem, usar letra cursiva ajuda a reter melhor a informação,

-Dicas científicas para manter a força de vontade  

-Vírus de internet procura vítimas no Brasil

-Em 2013 tentaram envenenar Barak Obama

-Podemos ser espionados pela Smart TV

-Vinagre faz maravilhas no seu jardim

-Impeça aplicativos de enviar notificações

-Ensine seu cérebro a se concentrar

-Lista de afazeres mostra porque Da Vinci era gênio

Os gatos parecem viver na paz, meio contemplativos. 
Achei no twitter do Luis


05/03/2017 - Domingo
Catemerino - Crônicas do Cotidiano
Navegando

Neste sub-espaço pretendo postar algumas pequenas crônicas, algumas vezes, pequenas tentativas de reflexões que vierem me surgir e que eu consiga me lembrar na hora de escrever, já que costumo refletir sobre um tema qualquer, e depois, elas costumam fugir da minha memória, muitas vezes sem nunca voltarem. Vamos lá. Começar pelos contatos, amigos, desse blog.
Pelo jeito ontem, sábado, em Recife andou chovendo horrores, conforme vi no Twitter da Nanda Rocha, que infelizmente ultimamente tem publicado raríssimas vezes no seu blog. Bem, a outra notícia, triste, não quero comentar aqui, fico pensando dela não gostar.
No Blog da Magui, vejo que lá também choveu muito, há também, entre várias outras publicações que merecem uma lida,  uma reflexão dela sobre correção no português, mais detalhes, clicar aqui.
No Fábio TV, Sílvio Santos valorizou Raul Gil, que acompanhei mais ou menos tempos atrás. Gostei do 65 anos de emoções, que passou na TV Cultura. O Fábio TV ainda comenta que o Jornal Nacional está totalmente a favor da reforma  da previdência.
Meu comentário: E não é apenas a Globo, e sim praticamente toda a mídia, toda a mídia fala uma coisa só, ninguém, entre os grandes "ENTENDIDOS", as "SUMIDADES DO SABER"  brasileiro,  apresenta uma outra alternativa, eles parecem ter decorado toda uma cartilha, porque eles falam a mesma coisa. Só sei que esses sabichões tanto previram que o país seria melhor sem a presidenta, bastando a saída dela que as coisas resolveriam por si só, e pelo contrário, estão é ferrando com tudo, até de salvador o Temer foi chamado, por alguns, idolatrado. Ainda há notícias de que o país está saindo da recessão, como, só as classes mais altas é que podem ter percebido isso.  E quando algum especialista tenta opinar um pouco diferente, percebe-se o desespero em muitos jornalistas, que parecem ficar meio tensos e forçam o desvio do assunto.
No Mata Hari, ali sempre acho dicas sobre bons  filmes, alguns vou anotando, minha lista só vai crescendo.

.......Duolingo, praticando, we are not against it,  shoe, dress, answer, question, coats. 


04/03/2017 - Sábado

Calor
As vezes fico pensando como tem muita gente que gosta do verão, eu sinceramente não gosto, um pouquinho de calor tudo bem, como 26 graus, é razoável, mas um calor abafado, sufocante, que percebo mais em Volta Redonda, tem lugar no Rio de Janeiro que é até pior do que aqui, o pessoal fica com uma toalhinha na mão se secando o dia inteiro, isso pra mim de bom não tem nada.

O Abutre - Direção Dan Gilroy
O personagem dito abutre tem cara de doido, e acho que é doido mesmo, como não vi nenhum outro filme com esse ator, Jack Gillenhaal, que eu me lembre, mas o mais provável é que assisti algum sim, a cara de doido dele deve ser uma caracterização do personagem, na internet tem fotos dele bem diferente.  Fiquei torcendo pra acontecer algo de ruim a ele.


04/03/17
Lendo Ilíada, de Homero

(outro blog)

Greva é um componente das armaduras antigas, que se utilizava como proteção para as canelas e topo do joelho. 

Com ricos dons remir viera a filha
Aos alados baixéis, nas mãos o cetro (baixéis: pequeno navio ou barco)
E a do certeiro Apolo ínfula sacra. (Apolo, filho de Zeus e Leto)  (Ínfula: insígnia)


*__*31/12/2016
Acordei às 04h30min, tomei um chá, minha intenção era não me deitar novamente, mas estava muito cansado. Faltando 10 minutos para as seis não tinha conseguido dormir, talvez cochilado, porque a hora passou rápido, e me sentindo menos cansado, resolvi levantar.

Neste momento, enquanto escrevo aqui , o folgado the cat mais ou menos black resolve subir em cima da mesa onde está o notebook, e tirar uma soneca, de folgado que é.

The cat want ração.
Na madrugada seguinte, abri a porta da cozinha, fiquei olhando para a escuridão lá fora, sem nada ver, apenas ruas iluminadas. O gato silenciosamente passa por mim várias vezes sem que eu nada escute.  O relógio de parede no seu eterno tique-taque perturba o silêncio da madrugada. Um galo canta. Raramente escuto aqui o canto deles. Quando na roça, é uma galaiada cantando, uma verdadeira sinfonia, e em sequência. Primeiro o de canto mais bonito, com um toque bem alto, seguido por outro um pouco mais baixo, acho que um pouco mais longe, depois, um esganiçado. Depois começa tudo de novo, sempre seguindo a mesma sequência. Quando chego na cidade, fico com o cantar deles na minha cabeça por bastante dias.

Agora escuto um barulho de vidro quebrando no terraço do vizinho, desconfio que é coisa de gato fazendo arte.

Nesse momento insone, me forço a ficar de pé while enquanto anoto tudo que me vem a mente num caderninho. Procuro ficar cansado, pra depois me deitar de  novo numa esperança da cama ficar mais gostosa.

Pra adiantar, faço o café, qualquer coisa  cochilo mais tarde, e o café já estará pronto. Deixo outras coisas adiantadas pra quando for trabalhar. Adianto o que posso.

<>  <>  <>  <> <>  <>  <>  <> <>  <>  <>  <> <>  <>  <>  <> <>  <>  <>  <>

Não sou evangélico, mas peguei o hábito de todos os dias ler a bíblia, na sequência, como lendo um romance. É a quarta vez que estou relando. Mas leio pouco por vez, as vezes um parágrafo, ou um capítulo, depende da dificuldade do texto.

Hoje peguei o Número 22.
Balaão e Balaque
A jumenta fala com balaão, e ele simplesmente responde a ela como se uma jumenta  falar fosse uma coisa mais natural possível.

04/03/17
Salmo 1
Feliz o homem que não vai ao conselho dos ímpios. 

Grande Hotel
Série Espanhola
+Globosat


Por ora pra mim é a grande série do momento, neste carnaval de 2017.

04/03/2017
Sábado

Quase terminando a primeira temporada dessa série, mas não pretendo ver as próximas temporadas, muitas séries são excelentes na primeira, depois a coisa fica toda a vida numa coisa que nunca se resolve, como as novelas, fica num vai-e-vém, vilões são derrotados, depois se vingam dos que os derrubaram, e fica assim.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Meus destaques 2016 (1)


Alguns, que eu vi
Os filmes e os livros estão ordenados de acordo com a minha satisfação pessoal, os primeiros são por mim considerados melhores.

*__*Cinema

  1. Duelo de Titãs - 1969 - Kirk Douglas e Anthony Quin. (Faroeste, suspense) - Link
  2. Tangerinas - Estônia, Geórgia (Drama, guerra)   (link)
  3. Betibú - produção argentina (Policial) - Link
  4. Chapie - Dir. Neil Blomkamp (Ação)  (Link)
  5. Meia-noite no jardim do bem e do mal - Dir. Clint Eastwood, com John Cusack, Kevin Spacey   (Suspense, drama) - Link

  6. Vício inerente - Com Joaquim Phoenix, baseado na obra de Thomas Pynchon

*__*Livros



  1. Risco de Infidelidade - Christopher G. Moore - Link
  2. Chatô - Fernando Moraes  (Link)
  3. O redentor - Jo Nesbo - Resenha
  4. Os versos satãnicos - Salman Rushdie - Leitura difícil (Resenha)
  5. O longo adeus - Raymond Chandler - Me decepcionou em vista do que achava 15 anos atrás, preciso ler outros dele para poder chegar a uma conclusão sobre o que achava desse autor
  6. O último cabalista de Lisboa - Richard Zimler - Regular (Resenha)
  7. Sangue na neve - Jo Nesbo - Decepcionante visto outros que li dele serem excelentes (Resenha)  (Resenha 2)

Ainda estou montando outros destaques, mas demorará um pouco para ser concluído

domingo, 18 de dezembro de 2016

Catemerino (4)

















Será que o gato que aqui mora realmente me conhece? Caso me visse em uma rua distante daqui, ele me reconheceria, ou sairia correndo fugindo de mim?


Há mais de ano venho lendo o dificílimo Graça Infinita, um calhamaço de mil páginas. Ainda estou na página 262.  Mesmo assim continuo lendo, para satisfazer a necessidade que tenho as vezes de ler uma obra mais densa, uma que dê mais trabalho para a minha mente. 

Fugindo bastante do assunto, e já me referindo a um outro dia, pareço estar ficando resfriado, tomo dois comprimidos de complexo B numa tentativa de aumentar a minha imunidade, preparo também um chá de gengibre com a mesma finalidade. Estava já na metade do  Meia-noite no jardim do bem e do mal, quando começou a chover, chuva mansa, relaxante, interrompi o filme para ler Rumo ao Farol, uns dizem que Virgínia Wolf foi superada pelo tempo, que suas obras perderam o valor para os dias de hoje, que foi ultrapassado pela vida moderna, mas gosto de descobrir em sua obra o modo de viver de tempos passados. Sobre o Ruo do Farol, deve fazer pelo menos uns quinze anos que tenho lê-lo, já o fiz por várias vezes, de tempos em tempos reinicio sua leitura interrompendo bem antes da metade.

Sobre o gengibre, abusei duas semanas direto, acabou atacando os rins, bom para uma coisa, ruim para outra. Na próxima, serei bem mais comedido com ele, tomando uns dois dias, e pulando  dois.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Roça, Sex and City, Vinnya (pura maluquice) e....

11/10/2016

Nada enxergo na escuridão da rua que segue a frente da casa onde estou hospedado. Um sinistro silêncio total me aterroriza um pouco. Nem a voz dos  vizinhos escuto, parece não haver ninguém em casa. A casa onde estou não é nada segura, uma cerca de arame farpado com um portão de madeira, qualquer pessoa pode adentrar para dentro do terreno, basta querer. As janelas e a porta de madeira me deixam com uma forte impressão de insegurança. Felizmente o local é composto por pessoas simples e trabalhadoras, que cansadas a esta hora, devem estar quase dormindo. Como estou muito cansado por ter andado o dia inteiro, caio no sono sem perceber,  e acordo apenas pela manhã bem cedo.
Hoje, 15 de outubro de 2016, já em Volta Redonda, curti em casa um sábado quente, chuvoso, a noite uma espécie de forró num bar aqui perto, que não chega a me incomodar por eu dormir nos fundos, mas com certeza incomoda muitos moradores próximos. Mas lá pelas 22h30min desligaram o som, talvez não o liguem novamente, caso não se trate de uma pausa.
Hoje, achei a Carrie bem chatinha na quarta temporada de Sex and City. Bem chatinha mesmo. Comecei a ver Vinnya, Espíritos da Selva, que tem um ritmo lento, mas fiquei curioso sobre o que pode acontecer, o filme não é previsível, pelo menos para mim, então vi um pedaço, e como costumo fazer, amanhã, vejo mais um pouco. Depois vi o final, mas ele escambou para uma coisa doida, com um final muito esquisito. Não gostei, nem vale a pena ver.
Nesse momento em que escrevo são 23 horas, e já estou pensando em ir dormir, parece até que é de propósito, nessa hora dois dos cinco cães do vizinho ficam agitados e começam a brigar, a dona dele consegue gritar mais alto que eles, acaba deixando agitados todos os moradores da casa. De repente tudo fica calmo, mas parece que houve uma contaminação para outros vizinhos que nunca percebemos que estão em casa, de tão quietos que ficam, num repente começam a gritar algo que não consigo entender o que é, parece que gritam com alguém ou com algum animal, não entendo bem, só penso que hoje a noite está meio esquisita, embora eu não esteja na escuridão da roça que estivera uns dias antes, e lá só houve paz e sossego.

Ilíada - Parte 1



Ilíada é um clássico de Homero, um clássico difícil de ler, mas que talvez mereça ser lido, pensando assim resolvi lê-lo de uma maneira diferente, resolvi ler copiando-o para cá aos poucos, e fazendo anotações diversas relativas ao que for descobrindo durante minha leitura. Há muitas palavras e nomes  que não se usam no momento, como peleio, Orco, Jove, Mirmidon, entre outros.

Canta-me, ó deusa, do Peleio Aquiles,  Peleio: que peleja, que combate,....Aquiles, participou da guerra de Tróia, era invulnerável exceto em seu calcanhar, 
A ira tenaz, que, lutuosa aos Gregos, Verdes no Orco lançou mil fortes almas, Orco: deus do submundo, espírito da morte, na mitologia romana. É o conhecido Plutão na mitologia romana
Corpos de heróis a cães e abutres pasto: Lei foi de Jove, em rixa ao discordarem, Jove, outro nome de Netuno
O de homens chefe e o Mirmidon divino. Mirmidon, herói, nação grega
Nume há que os malquistasse? Nume, divindidade, celeste....Malquistasse, que não é querido 

O que o Supremo teve em Latona. infenso um letal morbo.   No campo ateia; o povo perecia, só porque o rei desacatara a Crises.  Latona (Leto), deusa do anoitecer e uma protetora das crianças, filha de Febe e Céos, e mãe de Febo (Apolo) e de Diana (Ártemis). Foi amante de Júpiter, com quem teve um filho, teve de fugir da ciumenta  deusa suprema Juno (Hera).     Crises, sacerdote do deus Apolo. A filha de Crises, Criseida, foi raptada por Agamenon, mas após uma praga enviada por Apolo, Agamenon soltou Criseida.

sábado, 24 de setembro de 2016

06/07/2016 - Quarta-feira
Por causa dos quatro cães com latidos altamente infernais a noite toda, para poder conseguir dormir sou obrigado a usar tampões de borracha.  Assim procedendo, dormi bem e acordei cedo. Aguardava o dia amanhecer às 06h20min enquanto preparava o café, ligava o notebook e a televisão,

Às 06h20min  me acomodei nos fundos do quintal e sob a luz do dia, por trinta minutos li Versos Satânicos, de Salman Rushdie.  Não é um livro muito fácil de ler.  Mas após ler um pouco numa hora que a cidade ainda está sonolenta, percebi o livro com outros olhos, entendi melhor o que estava dito ali, compreendi melhor as nuanças que não conseguia captar, ou pelo menos sentia mais facilidade de entender certas passagens. Pelo jeito o mundo barulhento de hoje dificulta bastante a leitura de certos livros que tem uma escrita melhor elaborada, acabando nos fazer parecer se tratar de uma obra chata e tediosa, quando na verdade, as condições ambientais é que causam essas dificuldades.

As sete horas, o vizinho começa a tocar baixinho sua sanfoninha, o que não incomoda, é até relaxante e bom saber que alguém está fazendo o que gosta, está praticando algo  por puro prazer e satisfação própria.

domingo, 7 de agosto de 2016

A passagem da tocha numa cidade do interior


Coincidência ou não, após o Brasil sediar a copa do mundo, a coisa começou a degringolar por aqui. E o mesmo aconteceu com o Rio de Janeiro, que quebrou com a vinda da Olimpíada.

Então sou contra o Brasil sediar esses tipos de eventos, pela falta de competência do país,  pela imensurável corrupção, roubalheira sem fim, etc.

Mas Volta Redonda é uma cidade pequena, do interior do Rio, rotineira, bastante parada principalmente se comparada às capitais deste país.  O evento mais chamativo para a cidade é a copa do mundo, mesmo assim o que se nota são as pessoas correndo desesperadas para casa. Na hora do jogo, as ruas ficam num deserto total, fica até perigoso.

Mas com a passagem da tocha na cidade, dia 28 de julho de 2016, a situação foi diferente, acabou sem querer movimentando a cidade, pela multidão que  se estendeu pelo Bairro Retiro, entre outros, fato inédito por aqui. .

Quando saí do trabalho, um pouco antes das 18 horas, as calçadas estavam tomadas por pessoas que já estavam ali há bastante tempo, desde as 16 horas, conforme programado, mas alterado em cima da hora para as 17 horas, acabou chegando  às 18h25min.

Em um determinado momento, surgiu um rapaz correndo com uma tocha na mão. As câmeras  dos celulares entraram em ação num ritmo vertiginoso, custaram a perceber que o rapaz estava zoando com uma tocha falsa.

O que precedeu a tocha, foram dois caminhões guincho da Guarda Municipal, para rebocar veículos caso houvesse algum estacionado em local proibido naquele dia, mas nesse momento não havia nenhum veículo nessa situação. Os caminhões guincho logo foram seguidos por carros da polícia federal, pelos carros da polícia militar, pelo comboio conduzindo a tocha, por último o caminhão dos bombeiros. Ali deram uma parada, o pessoal tranquilamente fotografou tudo. A passagem da tocha naquele local deve ter durado uns dez minutos.

Onde a tocha passara já estavam retirando os cones proibindo estacionamento sob risco de reboque, no lado direito da rua sentido Centro.  De manhã muitos estacionaram assim mesmo, tendo os veículos rebocados.

Mas o que notei principalmente com a vinda da tocha, com a proibição de estacionamento de um lado das avenidas,  é que  o trânsito fluiu normalmente durante todo o dia. Ou seja, se fosse proibido o estacionamento sempre, o trânsito não ficaria congestionado como fica todos os dias. No dia seguinte mesmo, já se notou a diferença, trânsito lento o dia inteiro. O problema é que as pessoas, de um modo geral, pensam mais nelas em detrimento do interesse coletivo. Ninguém quer estacionar o carro numa determinada rua e andar cinco minutos até o local desejado, querem estacionar em frente ao local, sem ter de andar um minuto sequer.  E depois, muitos lotam as academias.

domingo, 26 de junho de 2016

Cold saturday

Sábado frio. Cold saturday.   Doing lunch, fazendo almoço. Chego na varanda dos fundos escuto um miado, chamo por ele, mas ele sai miando nãaaaaao.  Pela manhã assisti Sherlock, já na segunda temporada. Pra falar a verdade, gostei mesmo apenas dos dois primeiros episódios da primeira temporada, depois achei o roteiro meio confuso, meio perdido, parecia não saber pra onde ir.  

Hoje em dia temos pressa de tudo, pra encher a panela de água tenho de esperar por alguns segundos, que me parecem infinito. Pra não ter a sensação de que está demorando, faço um pouco de musculação sem aparelho, usando apenas meus braços numa forte contração, assim a panela se enche mais facilmente. A vida moderna nos acostumou muito mal. Pra fazer chá, esquento a água uns oito minutos no microondas, e faço outras coisas até eu ser avisado pelo apito de que já está no ponto para a infusão.  Warm it to water for the noodles.

 Enquanto cozinho, traduzo outra música de nome grande, Everybody wants to rule the world.  E traduzindo outros textos, aprendo outras palavras novas além do da canção, warm, noodles, to rule.   Seguindo dicas de especialistas, mexo o macarrão por dois minutos, e pra espantar a preguiça e um soninho que ameaça me dominar, endureço as pernas por alguns segundos. Só isso já é o suficiente pra me deixar em estado mais alerta.   I move the noodles a little.  A minute later is baked, cooked. Agora é só temperar.

Segundo pesquisa científica estudar inglês, ou outro idioma, deixa a pessoa mais inteligente. Vi no twitter da Nanda. Tomara que seja verdade, tou precisando de ficar mais inteligente.