domingo, 16 de julho de 2017

Fortitude


Faço o login no meu Google Favoritos, no notebook assisto o episódio nove do Fortitude da Globosat, agora passa uma cena que não me interessa, mudo a página e escuto apenas o som, mas o aúdio está em inglês, nada entendo, de repente, silêncio, volto à série, estão dissecando algo e conversando. Dou um bom dia para @nandarochaip.  Ajusto a tela do vídeo no computador, me lembra quando ajustavam a posição vertical da tela no cinema. No Google não acho nada sobre um lugar chamado Fortitude, será o lugar totalmente fictício?  Preciso trabalhar minha ansiedade, por isso tenho dificuldades de assistir um filme de duas horas ou mais num dia só, costumo dividi-lo pelo menos em dois dias, ou até mais, a depender da fita.  Agora dissecam um urso.  Ainda estou nos 11 minutos, assistir pelo notebook não é muito agradável, conheço gente que só assiste filmes assim, e ainda falam que certos filmes que eu vi numa tela grande, serem ruins, é claro, não dá para comparar numa tela minúscula.  Preciso trabalhar a minha ansiedade, compreendê-la, analisá-la, dissecá-la em partes menores como fizeram com o urso polar, chegar nos detalhes. Um personagem com aparência indefesa está sozinho agora, criando um suspense de que alguém oculto pode lhe fazer algum mal. Parece haver uma cena que lembra vudu, mas para o bem, se é que isso existe. Estou apenas pensando, não informando.   Por um bom tempo está no bla bla bla. Mudo a tela. Não só em Fortitude, mas em muitas, dizem quando o celular toca, desculpe, preciso atender.  Não creio que seja assim na vida real estrangeira. Ouço música de suspense, voltei à tela do Fortitude, mas nada vi demais. Mais bla bla bla.   Som de suspense, volto á tela pra conferir. Where are you?, aparece no celular de Frank, essa eu já sei.  O som dá um toque de suspense aos 23 minutos. Lembro que até um certo tempo, os filmes americanos geralmente tinha uma cena sexual mostrada de forma suave, mais para o lado romântico. Era a cena chavão. Na web há notícia sobre o novo filme da Mulher Maravilha.  Em  quase todos os episódios,  Fortitude exibe uma cena forte, as vezes até surpreendente. As pessoas gostam muito de conversar, parece enrolação.  A produção é cara, aparentemente desperdiçada com muito diálogo, deixando a história com um ritmo bastante lento.   Há, esse é o episódio nove.
A lebre ártica tem senso de humor.   Agora que releio este texto dois meses depois, não sei porque escrevi essa frase, a lebre ártica tem senso de humor. Será a fala de algum personagem? Não sei.

Volto ao vídeo, onde escuto o som de alguma coisa se revelando.  "Desumanizando sua vítima".  Aos 40 minutos, tortura. Algumas mulheres parecem ser mais fortes que os homens. Se bem que há muita realidade nisso.  
O que me aborrece nas séries, é que o vilão sempre vence por uma eternidade, mesmo quando está perdendo, e muitas vezes, retorna nas próximas temporadas. Momento enrolação, Fortitude agora está nesse momento.                                                        

2 comentários:

Pedrita disse...

não vi essa série. beijos, pedrita

maria claudete ferreira herculano batista disse...

oiiiii Vamos acordar? rsrsrsrs eu estou dormindo há um bom tempo! abração
claudete