domingo, 20 de fevereiro de 2011

Do além


Tempos atrás meu sobrinho, que na época deveria ter uns 7 anos, andou vendo coisas. Uma imagem de uma pessoa desconhecida no quarto. Minha irmã resolveu levá-lo numa espécie de vidente, mulher rezadeira. Aconselhei ela a não fazer isso, que poderia pôr coisas na cabeça dele. Ela estava decidida e resolveu ir assim mesmo, e pediu pra mim ir junto.
Chegando lá, a mulher nem se importou com o garoto, cismou comigo. Me fez perguntas, se eu sentia dores no braço e tonteira, e se havia perdido alguém recentemente muito importante pra mim. Me lembrei do meu tio, já idoso, que morrera um mês atrás, caíra do telhado batendo com a cabeça na calçada. Com certeza ficara tonto e dependendo da maneira como caiu, sentiu dor no braço.

Me lembrei que um pouco depois de sua morte, levei um tombaço feio, e fiquei com dor no braço.

*_*Up date

Depois que fomos na vidente, nunca mais o meu sobrinho viu algo. Mas a mulher me perguntar se eu sentia dores no braço, sendo que não usava gesso nem nada visível que mostrasse isso a ela, me surpreendeu um pouco.

6 comentários:

Daniel Savio disse...

Senão me engano, tu já narraste este fato antes...

Fique com Deus, menino Carlos Medeiros.
Um abraço.

Luzinha disse...

Eu acho q elas sempre jogam um verde...com coisas que podem acontecer na vida de qualquer um...e ai acabamos acreditando. Pq algumas vezes dá certo.

Nanda disse...

Assim como Daniel, também lembro desse post. E volto depois pra desejar um Feliz Natal, combinado? Inté!

Jota Effe Esse disse...

Se a gente der crédito a essas videntes elas vão longe. O melhor é seguir as leis da vida, porque no Além só Deus sabe o que se passa. Meu abraço.

Beth disse...

Há muita gente que realmente tem o dom da vidência, acredito nisso. Mas há também muita gente que não tem nada a ver.
Eu também acho que já li algo aqui sobre isso.
Beijo

Magui disse...

E.. Depois?